Casas da minha aldeia

Depois de uma visita feita às habitações mais antigas da nossa aldeia, ainda de pé, e a sítios onde existiram outras, somos levados a pensar que os nossos antepassados quando construíam a sua habitação se esforçavam para aproveitar uma das coisas boas que a natureza lhes dera; o sol.

Aproveitavam a luz natural, não só para uma melhor iluminação do espaço interior, mas também para que o frio no inverno pudesse ser menos agressivo. Na nossa aldeia a população era pobre, o que os levava a aproveitar aquilo que fosse do seu conhecimento e pudesse contribuir para uma vida menos dura.

Até aos anos trinta do século vinte, as casas eram todas de duas águas, a orientação no terreno em condições normais, era: a fachada principal virada a sul, ou ao sol como eles diziam, as empenas uma a nascente e outra a poente.

Se a sul existia uma ou duas portas e, também uma ou duas janelas, do lado do oposto não existiam janelas, e algumas também não tinham porta para esse lado. Assim, permitia-lhe receber a luz do sol, e resguardar do frio que no inverno se fazia sentir com particular incidência do lado norte.

Algumas que não obedeciam a essa orientação no terreno, muitas vezes tinha a ver com a exiguidade do espaço, ou a dificuldade de nele construir com essa orientação, eram todas habitações pequenas mas difíceis de erguer, próprio daquele tempo. A maioria das habitações tinha há frente um pátio com muros altos feitos em pedra solta, onde passeavam livremente as galinhas, junto com outros animais, domésticos.

Se hoje existem muitas formas de combater o frio, desde roupa apropriada há época, bem como a todos os sistemas de aquecimento de que é possível usufruir, quer integrados na construção, ou outros. Antigamente nada disso existia, a roupa nem sempre era a suficiente e, a lenha para aquecer a casa era muito pouca, daí todo o cuidado que tinham com a forma de construir.

Com o passar dos anos as pessoas passaram a construir as casas com a fachada principal virada para a estrada ou caminhos, ruas com nome não existiam.

Seguem-se algumas fotos de casas antigas

A foto que vemos a seguir, mostra-nos uma casa virada a nascente, apesar de se situar junto a um caminho não tem qualquer porta ou janela para aí virada…

DSCF1166

Nesta  foto vemos uma casa com a fachada principal virada a sul, como era a maioria naquele tempo, a nascente fica a serra dos candeeiros, também tinha por perto uma pia onde juntavam a água indispensável à vida e, tão difícil de conseguir na nossa aldeia,Ver aqui.

DSCF1137

A última era uma das poucas casas de primeiro andar que existia na aldeia, também com a fachada principal virada a sul, do lado do norte tinha apenas uma porta pequena, era necessário as pessoas baixarem-se para entrar.  A parte de baixo” chamada a loja” era destinada a armazém de produtos agrícolas, ou recolha de animais, tinha só uma porta larga e não tinha janelas. Não era a casa típica da aldeia, talvez mandada construir por alguém de maiores posses na época, que terá vindo de outra região… era também a única que a parte de baixo era chamada a loja, desconhece-se quem a mandou fazer. Há já algumas dezenas de anos que foi demolida.

casa do outeiro

Talvez tenha chegado o tempo para que as novas gerações olhem com mais atenção para a vida dos nossos antepassados, não para voltarmos aos tempos de antigamente, mas para valorizar o que de melhor podemos usufruir da natureza sem custos, como eles faziam.

É bom lembrar alguns mais esquecidos e, dizer aos que desconhecem, que muitas das coisas boas que hoje temos, existem graças ao trabalho desenvolvido pelos nossos antepassados.

António EJ Ferreira

Anúncios