A minha ida ao Xime

A minha ida ao Xime

Estava a minha companhia há pouco tempo em Mansambo, a Cart 3493, quando foi chamada a participar numa operação que teve lugar na zona do Xime, creio que com dois grupos de combate, calhou-me a mim ser um dos condutores que conduziu uma das viaturas que transportou o pessoal. Nesse dia, era já tarde quando lá chegamos, ficamos junto às instalações do Xime o regresso foi ao fim da tarde dia seguinte, durante a noite eu dormi ”no hotel estrela” junto a um pavilhão.

No outro dia, enquanto os meus camaradas andaram no mato aproveitei o tempo para conhecer um pouco da tabanca, encontrei lá um camarada que tinha conhecido na Figueira da Foz que era quase meu vizinho mas que antes eu não conhecia, era apontador de obus 10,5 fui com ele estávamos a ver um local junto a umas bananeiras onde funcionava a escola segundo ele me disse, mas aí a visita foi interrompida, ouviram-se rebentamentos na zona onde estava a decorrer a operação e o Nogueira desatou em grande correria para junto do obus.

Durante algum tempo enquanto decorria a operação a área foi sobrevoada por uma DO, como as coisas mudaram, ainda não se ouvia falar nos Strela. Também tive oportunidade de ver os fiat bombardear relativamente perto da estrada Xime Bambadinca, aí as coisas também mudaram muito, nesse dia” picaram” quase até chegar à copa das árvores, mais tarde já em Cobumba vi-os bombardear mas a uma altura que nada tinha a ver com o que o que aconteceu no Xime.

Tive também oportunidade de ir até à ponte onde estava pessoal a fazer segurança, depois aproveitei a boleia e fui com três camaradas do Xime até ao cais onde pude ver o movimento que ali havia e também um enorme buraco que tinha sido feito pelo rebentamento de um foguetão, arma de que eu ainda não tinha ouvido falar, mas aí as coisas complicaram-se a viatura que nos tinha levado enquanto nós estávamos a olhar o geba abalou e deixou-nos lá, alguns dos que tinham ido comigo não gostamos de lá ter ficado mas fazia parte do grupo um colega sempre bem- disposto, sempre a rir, vendo que alguns ficamos algo perturbados e continuando a rir disse, não há problema se for preciso até se mija-se na cama e diz-se à mulher que estamos a transpirar. Disseram-me depois que ele era sempre assim, bem- disposto, até lhe chamavam o cavalo que ri.

Em Mansambo viajamos muito, mas tal não significa que corrêssemos mais riscos, durante treze meses apenas uma das nossas viaturas acionou uma mina, em Cobumba tínhamos cerca de um quilómetro para percorrer levamos quatro viaturas acionaram uma cada…

Quando eramos periquitos gostava-mos de saber mais, ver o que até há pouco tempo era para a maioria de nós desconhecido mesmo tendo ouvido falar daquelas paragens a camaradas que antes por lá tinham passado. Talvez por isso tenha ficado gravado na nossa memória que mesmo a esta distância no tempo continua a estar bem presente.

 

António EJ Ferreira