Novos tempos

É Natal2013-09-17 sardenta 001

Estamos a poucos dias da celebração do nascimento de Jesus, tempo que desde muito novo fui habituado a viver de maneira diferente.

Talvez por pertencer a uma família pobre, como era a maioria da gente da minha aldeia, não era hábito receber presentes, e aqueles que as recebiam entendiam isso como uma dádiva muito especial…

Os tempos hoje são outros e a oferta de prendas que era feita a alguns dos mais pequenos, generalizou-se entre todos, dos mais novos aos mais velhos…

O social tomou conta da tradição, ao ponto de alguns darem a quem não precisa, mesmo que amanhã lhe venha a fazer falta. A instituição bancária, o dono da pequena loja, a grande superfície comercial, o café da esquina o restaurante e outros, a todos os seus clientes desejam um Natal muito feliz e um próspero ano novo, ou então boas festas…

Depois na prática o que fazem? O banco se a pessoa precisa mesmo, é quase certo que não empresta, as grandes superfícies comerciais provavelmente sobem os preços, o café da esquina, o restaurante e outros com menos capacidade de intervenção no mercado, não os alteram, mas se pudessem… mas todos desejam o melhor aos seus clientes. É o marketing… como tal temos que aceitar.

Agora entender isso como interessante para lembrar um acontecimento bíblico, não consigo perceber.

Mais me custa  entender quando por vezes algumas pessoas ligadas à igreja pactuam com tais comportamentos. Outros ainda apoiam a construção de presépios com centenas de figuras e, mais alguns figurantes… mais se parecendo com uma feira.

Reconheço que talvez não seja a pessoa certa para falar destes assuntos, em que a religião a política e outros interesses se misturam, mas digo aquilo que penso. Alguns  pensam o mesmo… mas preferem o silêncio.

Para que muitas pessoas pudessem ter um Natal melhor, bastava receber uma palavra amiga, de incentivo àquele que luta contra as mais variadas adversidades.

Uma palavra de esperança a quem já deixou de acreditar…

Estender a mão que ajuda a levantar aquele que um dia tropeçou e caiu…

Tentar abrir uma janela para que a luz possa entrar naquela casa, onde tudo é escuridão… e menos palavreado sem conteúdo.  Talvez assim, muita gente tivesse um Natal mais feliz.

Termino, desejando a todos um Natal com muita saúde e, com esperança, porque com ela a vida se torna mais fácil.

António EJ Ferreira

Anúncios